Desenho de pessoa preenchendo briefing

16/04/2020 | Gestão | , , , ,

Como fazer um bom briefing e qual a sua importância?

Briefing. Você já ouviu falar sobre ele alguma vez ao longo da sua jornada profissional? Bom, se você atua como redator, publicitário, jornalista, designer ou em qualquer área que envolva comunicação, criação e marketing, o conceito do briefing já deve fazer parte do seu dia a dia, não é mesmo?

Mas você realmente compreende a função de um briefing dentro do processo criativo? Sabia que ele é fundamental tanto para você, enquanto profissional, como para o seu cliente? E, que quanto mais detalhado e completo um briefing, mais fácil, rápido e preciso será a execução do serviço? Isso tudo resulta em satisfação do cliente e maior lucratividade para você, já que terá menos retrabalho.

Então, para te ajudar a se familiarizar melhor com esse recurso e, também, passar a produzir briefings eficientes e capazes de impressionar seus clientes, vamos dar algumas dicas certeiras e objetivas sobre: como fazer um bom briefing!

Vamos lá!

Conceito de briefing: o que é e para que serve?

O briefing nada mais é do que os pilares de um projeto a ser criado por um ou mais profissionais. Nele, são colocadas todas as informações essenciais que devem ser abordadas durante o processo do trabalho.

Ele pode ser feito e usado por redatores, publicitários, roteiristas, editores de materiais impressos ou designers. Para ser mais claro nessa descrição, um briefing de redação web, por exemplo, deve conter:

  • Sugestão de título;
  • Número de palavras ou caracteres;
  • A necessidade ou não de incluir hiperlinks internos e externos;
  • Palavras-chave;
  • Objetivo do conteúdo (um resumo sobre o que abordar);
  • O uso de linha fina ou não;
  • Perfil do público-alvo;
  • CTA;
  • Links de conteúdos de referência.

Como dissemos acima, o briefing é a fundação, os pilares de um projeto. Ele simplesmente traz em detalhes o mapa que o profissional, nesse caso redator, deverá seguir para transformar um tema ou uma ideia no artigo desejado pelo cliente e capaz de agradar o consumidor final. Esse conceito pode ser transportado para qualquer área, como: design, engenharia, arquitetura, etc.

 

Mas, será que é necessário que um briefing tenha tudo isso de informações? Sim! Todos os briefings compartilhados entre clientes e prestadores de serviço seguem esse modelo? Não! E, é aí que está a razão que faz com que um mesmo trabalho vá e volte tantas e tantas vezes para correção antes de ser aprovado de fato.

Um briefing enxuto demais ou incompleto dá margem para que o profissional produza conforme a sua própria compreensão. No entanto, por não ter o mesmo conhecimento e experiência que o cliente tem sobre o seu próprio negócio, nem sempre o profissional contratado consegue entender e suprir as reais necessidades e anseios do cliente.

Essa etapa inicial do trabalho facilita a dinâmica de trabalho, deixa tudo documentado, mais profissional e evita desgastes desnecessários ao longo da jornada criativa.

O cliente precisa visualizar o resultado final apenas com o briefing em mãos!

Um briefing bem feito faz com que seja possível visualizar antecipadamente e da forma mais clara possível o produto final. Por isso, é importante conversar bem com cliente, entender o que ele deseja, quais suas necessidades, qual a temperatura do mercado no qual ele está inserido, qual seu público-alvo e quem são seus concorrentes.

Isso vai ajudar na hora de montar um briefing personalizado para cada cliente e para cada trabalho. Afinal, cada formato trabalhado (web, mídia impressa, redes sociais, Tv e rádio) pede um briefing específico. Inclusive, o método de trabalho de cada profissional influencia o modelo do briefing, já que o briefing é a ferramenta que faz funcionar de forma eficiente este fluxo de trabalho.

Não tenha medo de apresentar uma ideia esmiuçada demais. Quanto mais didático for o material, mais visual e palpável ele se tornará. Por que isso é bom? Porque, assim, o cliente, antes mesmo de iniciar o trabalho em si, poderá opinar sobre alterações, dar dicas e sugestões que ajudarão a moldar o job com suas expectativas e desejos.

E, nada melhor do que mudanças feitas antes do trabalho concluído, não é verdade? O briefing bem feito é sinônimo de segurança para os dois lados.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Segurança: o briefing é parte fundamental do projeto, exija-o em contrato!

Um processo criativo demanda de várias etapas para que uma ideia saia do papel e consiga um resultado final satisfatório. O briefing é uma das etapas primordiais para que isso aconteça, por todas as razões citadas acima. Ou seja, ele é o guia que o profissional irá usar para fazer seu trabalho.

Além disso, um briefing bem feito demanda tempo e habilidade para ser desenvolvido, nem todo profissional consegue produzir um bom briefing na prática. Por isso, se você fará esse trabalho é importante documentar tudo por duas razões:

  • Para que você possa incluir em seu orçamento o valor do trabalho despendido em sua criação. Sim, o briefing é parte do trabalho;
  • Para que o cliente compreenda a necessidade e importância dele e possa usá-lo como uma fonte direta de comunicação com o profissional responsável.

O que isso significa? Que o briefing não faz parte da dinâmica de criação do redator ou do designer, mas é sim uma parte do trabalho de um bom profissional e que precisa ser considerado pelas partes envolvidas na hora de fechar um contrato de prestação de serviço e na hora cobrar pelo serviço realizado.

Portanto, exija em contrato que ele encaminhe para você o briefing do projeto detalhando todos os pontos chave para você poder realizar seu trabalho sem quaisquer receios ou problemas futuros por conta de uma má comunicação.

Formatos: como montar e quais formatos de briefing existem?

Apesar da essência do briefing ser a mesma para diferentes áreas e funções, há algumas peculiaridades que diferem um briefing feito para o desenvolvimento de um artigo de um feito para uma campanha publicitária, por exemplo.

As diferenças se baseiam, basicamente, no foco de cada área e também no alcance de cada função, profissional ou setor responsável pelo processo criativo.

Vamos pontuar abaixo alguns pontos para diferentes modelos de briefing. Você perceberá que alguns itens são comuns a todos eles. Confira!

Criação de conteúdo

  • Número de palavras ou caracteres;
  • Sugestão de título e subtítulo;
  • Palavras-chave;
  • Perfil da persona;
  • Perfil do público-alvo;
  • Perfil do cliente, marca, produto ou serviço;
  • Objetivo do conteúdo;
  • Uso de hiperlinks internos ou externos;
  • Necessidade ou não de linha fina;
  • CTA.

Design

  • Paleta de cores a ser usada;
  • Objetivo do projeto;
  • Perfil da empresa;
  • Perfil do público-alvo;
  • Tipo de mídia onde o projeto será aplicado;
  • Orientação sobre uso e inclusão de logos, marcas d’água e tipografia;
  • Texto a ser usado (caso haja a necessidade de incluir texto no projeto gráfico).

Publicidade

  • Valor de orçamento disponível para a campanha;
  • Tipo de mídia usada;
  • Quem será responsável por cada etapa do processo criativo (diretor, redator, designer, criativo);
  • Objetivo da campanha;
  • Perfil da persona;
  • Perfil do público-alvo;
  • Perfil do cliente, marca, produto ou serviço;
  • Data de lançamento;
  • Tempo de duração.

Crie um formato de briefing que seja de fácil acesso, leitura e preenchimento pelo cliente. Por exemplo, exemplificando as ideias e o conceitos de forma visual para facilitar ao máximo a compreensão. Uma dica pode ser utilizar formulários em seu site ou a ferramenta de Formulários do Google para solicitar o preenchimento das informações, ou até mesmo criar uma planilha onde serão inseridas as informações, lembre-se que tudo precisa ser prático.

Um briefing bem feito facilita o trabalho, o processo criativo e o alinhamento de ideias e pensamentos. Por meio dele conseguimos organizar, planejar, adaptar e executar projetos de forma muito mais eficiente e rápida. Por isso, não poupe detalhes e informações sempre que criar um briefing, lembre-se que ele será uma projeção do trabalho final.

Após o preenchimento das informações e solução de todas as dúvidas, transforme o briefing em um documento “fechado” como um PDF, por exemplo, e envie para aprovação do cliente para que os trabalhos sigam o escopo acordados entre vocês. Ou, conforme já mencionado, inclua o briefing em contrato. Assim, todos terão segurança em relação ao andamento e resultado dos trabalhos.

Gostou das nossas dicas sobre o que é e para que serve um briefing? Curta a página da Próxima Web no Facebook e tenha, em primeira mão, dicas, informações e conteúdos completos como esse!

Gostou? Então cadastre-se!


Artigo de Isabel Tetéo (em colaboração com a Equipe Próxima Web)

Jornalista, redatora web e especialista em marketing de conteúdo. Sempre atenta e em busca de novidades que possam auxiliar a aperfeiçoar sua escrita, transformando conteúdos diversos em informação, aprendizado e entretenimento para o leitor.


Imagens:


Seja o primeiro a comentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *